A Terceira Sinfonia de JBrahms

Brahms em sua terceira sinfonia consegue utilizar materiais sonoros aparentemente antagônicos, de forma interdependentemente intrínseca, subliminarmente retirando seus diversos materiais uns dos outros, e, neste caso, de movimentos.

 

Como pode ser observado acima, o arpejo sobre o I grau da tônica, fornece elementos suficientes para que se encontre um elo de ligação entre os dois temas principais.

 

A oposição de elementos contrastantes, dinâmicos, articulativos e tonais resultantes, remonta a uma narrativa que poderia ser comparada com o Pai e filho, Sansão e Dalila ou outra forma simbólica, o que não necessariamente resulta em um ganho na forma analítica.

A aparente distância entre os movimentos I e IV, faz com que o esquema sutil que Brahms encontra para uma re-reelaboracao do tema inicial da sinfonia torne-se visível apenas através de uma minuciosa analise e reflexão da estrutura intrínseca da obra.

 

Utilizando a retrogradação, o compositor estrutura o tema em compasso binário, e apenas das duas notas (C e F) seguindo em sequência normal (A e G), finalmente encontrando o C (que esta no tema A oitava acima).

Obviamente a relação de transposição define as notas. De uma maneira mais próxima, o compositor relaciona ritmicamente, e por movimento contrário, a ultima célula do tema A, com o tema lírico subsequente nomeado por McClary de possuir um caráter “feminino”.

Uma narrativa literária a partir da música absoluta, poderia ter um caráter particularmente subjetivo, sem, contudo deixar de fornecer elementos importantíssimos para a construção ou reforço dos aspectos culturais inerentes ao momento histórico de gerações as quais foi proporcionado a oportunidade de fruir da sensação de heroísmo, aventura, conflito, conquista e até de pessimismo tão em voga no fin de siécle.

O motivo feérico – análogo ao heróico do Mov. I – do quarto movimento surge como uma reafirmação do “masculino” para citar McClary, ao mesmo tempo em que formalmente tem-se uma utilização motívica ipisis litteris do sujeito ou seja, do uso das mesmas notas dentro de uma mesma tonalidade, fazendo com que o argumento de McClary possa ser contestado a partir de uma análise formal e estrutural dos dois temas elencados acima.

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *